Há quem diga que Macapá têm um sol pra cada pessoa. A única capital brasileira dividida pela linha do Equador e banhada pelo Rio Amazonas abriga diversos encantos e contato com jóias intocadas da maior floresta tropical do país.

Capital do estado do Amapá, Macapá é a única cidade brasileira banhada pelo Rio Amazonas, o maior rio em volume de água do mundo. A cidade reserva diversas surpresas para os visitantes: desde a maior fortaleza militar da América Latina, uma orla recheada de restaurantes deliciosos com sabores amazônicos, um point perfeito para kitesurfistas que se aventuram a cruzar os 15km do rio, além de museus e marcos históricos.

É verdade que Macapá é uma cidade muitas vezes esquecidas pelo turismo de lazer brasileiro e recebe em sua maioria visitantes à negócios. Por isso, quando recebi o convite para visitar um dos estados mais isolados do Brasil, não pude resistir.

Quem explora o turismo da região do estado se surpreende com uma das maiores áreas preservadas da Floresta Amazônica e um prato-cheio para apaixonados pelo ecoturismo, como eu :).

A poucos minutos de Macapá é possível ir de encontro com árvores centenárias e a grandiosidade da Amazônia, conhecer a cultura do povo ribeirinho e de base comunitária, visitar a cultura quilombola da região e, aos aventureiros, encarar longas distâncias e muito off-road para conhecer jóias escondidas do Brasil: como as “Cataratas Amazônicas”, a Serra do Navio e o “Stonehenge Brasileiro”.

Confira neste post tudo o que você precisa saber para aproveitar ao máximo o que Macapá tem a oferecer. Descubra o que fazer, onde ficar, os melhores restaurantes e dicas para sua viagem:

Neste post:

Macapá, Amapá - Como Chegar, o Que Fazer, Onde ficar e +
Sumaúma com 400 anos de história, Ilha de Santana.

Informações básicas

Onde fica Macapá?

Localizada no Estado do Amapá, Macapá é uma das capitais mais ao norte do Brasil. Banhada pelo Rio Amazonas e próxima à Ilha do Marajó, é carinhosamente chamada de “cidade do meio do mundo”, por ser a única capital brasileira cortada pela Linha do Equador.

Como chegar ao Macapá

O estado do Amapá é o único estado brasileiro sem acesso à nenhuma rodovia federal. Para chegar, os visitantes têm duas opções: em transporte fluvial saindo de Belém, com trajeto de cerca de 36 horas, ou via aéreo.

A Azul Linhas Aéreas lançou um voo direto saindo de Campinas para Macapá, três vezes por semana (às terças, quintas e domingos). Para quem chega do norte ou nordeste, a melhor pedida é fazer conexão em Belém, no Pará, e continuar viagem.

como chegar no Macapá
Porto de Santana, próximo à Macapá. Crédito: Giordano Santana

As melhores épocas para visitar Macapá

Para aproveitar Macapá com temperaturas mais amenas, a melhor época para visitar a cidade é entre os meses de Setembro a Dezembro.

Os meses mais quentes em Macapá são Junho, Julho, Agosto. Já os meses mais chuvosos são Janeiro, Fevereiro, Março, Abril e Maio.

Situação do COVID para viajantes

Macapá está com 72% da população imunizada com as duas doses da vacina, de acordo com boletim do estado divulgado em Dezembro de 2020. Para o turismo na cidade, é recomendado o uso de máscara em ambientes fechados. Além disso, a apresentação do comprovante de vacinação pode ser solicitada em alguns estabelecimentos.

Como visitar Macapá?

Recomendo organizar a visita com uma agência de turismo local que ofereça transporte, guias qualificados e a organização dos passeios. Quem foi responsável pelo roteiro de toda a nossa viagem foi a Amapá Eco Camping.

A agência personaliza diversos roteiros pelo estado para os visitantes: desde os passeios próximos a Macapá até aventuras nas jóias escondidas do estado. Recomendo de olhos fechados!

Os melhores passeios para fazer no Macapá

Passeio até a Ilha de Santana com almoço

Um dos passeios mais legais para se fazer em Macapá é conhecer a Ilha de Santana. A aventura já começa no início, com a catraia – um barquinho motorizado – que sai do Porto de Santana, cidade a 15 km da capital. O trajeto é percorrido pelo Rio Amazonas e tem duração média de 1h30.

Durante o trajeto, a vida à beira do Amazonas vai se mostrando, com as casas de ribeirinhos, indústrias e portos rodeados pela grandiosidade da floresta amazônica e do maior rio em volume d’água do planeta.

Ao chegar à Ilha de Santana, o desembarque é feito em uma praia de rio e logo há um deck de madeira que leva ao Refúgio dos Pereira, a casa de um casal de senhores super acolhedores. O primeiro passo é deixar seus pertences no refúgio, enquanto os Pereira preparam o almoço com comida típica amapaense, regada a muito peixe e açaí.

Enquanto o almoço não fica pronto, os nativos já convidam para adentrar a Floresta Amazônica em uma trilha fácil e rápida. A surpresa: encontrar uma árvore centenária, a Sumaúma, com mais de 300 anos. É preciso ir de encontro com tamanha suntuosidade para entender a energia da floresta. É uma experiência sensorial única.

Depois de conhecer a Sumaúma, é hora de almoçar e se deliciar com a comida típica da região. Almoço super gostoso e cheio de temperos amazônicos. No Macapá, é comum as pessoas comemorem açaí batido com as sementes direto da árvore, junto ao peixe e com tapioca.

Para quem gostar da aventura, é possível hospedar-se em um chalé bem organizado no terreno dos Pereiras e sentir a vibração e experiência de estar na Floresta Amazônica à noite. Eu fiquei com vontade :).

Monumento Marco Zero do Equador

Já imaginou pisar em dois hemisférios em um único lugar? No Monumento Marco Zero do Equador, é possível ficar no “centro do mundo” em cima da linha imaginária do Equador.

Localizado próximo ao centro de Macapá, é muito procurado para contemplação dos equinócios da primavera e outono, quando o sol fica perfeitamente alinhado ao círculo no topo do monumento de 30 metros de altura.

Alguns visitantes aproveitam para testar a gravidade de estar no meio do mundo e levam ovos na tentativa de equilibrá-los na linha do Equador.

Fortaleza São José de Macapá

A Fortaleza São José de Macapá é surpreendente. Quem diria que localizada no centro de Macapá fica a maior fortificação militar da América Latina? Com 85 mil metros quadrados, construída em 1763 pelos portugueses, o forte é uma visita indispensável para quem visita a cidade.

Apesar de atualmente estar em processo de inspeção para se tornar um Patrimônio Mundial da UNESCO, o local sofre com o completo abandono do estado. Para conhecer o forte, só é possível com o agendamento antecipado com guias certificados da região. Indico a Amapá Eco Camping para agendar todos os passeios.

Museu Sacaca

O Museu Sacaca traz um panorama ao ar livre da cultura amapaense e da vida dos povos originários amazônicos. O museu ao ar livre dispõe de réplicas em tamanhos reais das casas ribeirinhas, dos antigos “regatões” que eram comércios ambulantes importantes para as comunidades à beira do Rio Amazonas, e muito mais. Além disso, o museu também mostra a importância de Sítios Arqueológicos amapaenses que são tão pouco falados no Brasil.

Apesar de ficar no centro da cidade, o museu traz a possibilidade de experimentar um ‘gostinho’ do que é a Floresta Amazônica, com Sumaúmas, árvores frutíferas da região, e até fauna e flora. 

O museu é uma homenagem à Sacaca, uma figura muito relevante na história Macapaense. Responsável por diversas ações sociais, atuou como curandeiro e desenvolveu um papel muito importante na região.

A entrada no museu é gratuita.

Bioparque da Amazônia

Um refúgio ecológico em meio à cidade, o Bioparque da Amazônia é uma parada obrigatória para quem visita Macapá.

Além da flora amazônica, o parque também tem um programa de reabilitação de espécies em perigo para voltarem à natureza. Por lá, você encontra jacarés, macacos, araras, onça, todos os bichos que foram resgatados de algum maltrato ou de algum tipo de exploração. Entre eles, também há o Urubu-rei mais ancião do país, com quase 60 anos (a idade média deste animal é 14 anos).

Além dos animais, também há aventuras. Tirolesa, arvorismo, espaço de piquenique, área de descanso e um lugar com deck na beira de um lago que você pode fazer yoga.

Outro ponto interessante é o meliponário – criação de mais de 150 mil abelhas “sem ferrão”. O objetivo é que elas ajudem no equilíbrio do meio ambiente através da polinização das abelhas.

Valor de entrada:

  • R$ 10 por adulto
  • R$ 5 por criança

APA do Curiaú

Localizada a 18 km do centro da Macapá, a APA do Rio Curiaú é um passeio para imergir no turismo de base comunitária e conhecer um pouco mais da cultura e história do povo local. Além da experiência cultural, a paisagem é cênica. Ela se transforma conforme a época do ano: na época de cheia, passeios de canoa são comuns. Já na estiagem, um enorme campo verde ganha cena.

Afuá, a Veneza brasileira

O município de Afuá é conhecido como a Veneza brasileira, localizado a uma hora da Ilha de Marajó. É uma cidadezinha que também fica na beira do rio, com casinhas super coloridas e o destaque da cultura ribeirinha.

Na pequena cidade charmosa, os automóveis não são permitidos. Assim, as bicicletas são o principal meio de locomoção pelas ruas, chamadas de palafitas, que flutuam acima de rios.

Afuá, a Veneza Brasileira. Créditos: Fernando Mesquita via Flickr.

As melhores aventuras pelo estado do Amapá

Há muito o que fazer ao pegar o carro e encarar algumas horas de estrada off-road pelo meio da Amazônia. De norte à sul do Estado, existem jóias escondidas naturais e arqueológicas muito pouco faladas, como a chamada ‘Stonehenge brasileira’ a até mesmo as ‘Cataratas amazônicas’, que muito se assemelham às eleitas entre as sete maravilhas naturais do mundo em Foz do Iguaçu. 

Cataratas Amazônicas

Quem imaginaria que em existem cataratas semelhantes às que vemos em Foz do Iguaçu, mas no meio da maior floresta tropical do planeta? São as chamadas “Cataratas da Amazônia”.

As cachoeiras de Santo Antônio em Laranjal do Jari, no sul do Estado, chegam a 30 metros de altura em um cenário de natureza intocada.

Para chegar ao local, você vai encontrar um caminho de muita aventura. São, mais ou menos, 4 horas de estrada de chão, trilhas e acampamento no local. Quem leva é a Amapá Eco Camping.

Stonehenge do Amapá

Os Megalitos de Calçoene no Brasil são reconhecidos como a “Stonehenge da Amazônia”. O local abriga vestígios da ocupação humana pré-colombiana, com idade estimada por arqueólogos de cerca de dois séculos. Enquanto Jesus nascia, lá estavam os povos originários no Amapá fazendo diversas descobertas astronômicas para a observação do solstício na linha do Equador.

O sítio arqueológico é composto por mais de 120 blocos de rochas fincadas no chão ao longo de 30 metros de diâmetro. Algumas destas pedras chegam a ter 4 metros de altura e pesar 2 toneladas. Também encontram-se tumbas originais feitas em cerâmica pela civilização.

Foto: IPAN

Estrada para Oiapoque

A Estrada para Oiapoque é conhecida como o trecho da Amazônia brasileira que encontra a França. De um lado da estrada está o Brasil e do outro o território ultramarino da Guiana Francesa. São, mais ou menos, cinco horas de estrada de chão para completar parte do famoso ditado ‘do Oiapoque ao Chui’.

No caminho, tribos indígenas, cultura e diversidade enchem os olhos dos visitantes que passam pelo trajeto. Por estar na fronteira do Brasil com a União Europeia, a cidade de Oiapoque guarda muitas particularidades, principalmente em relação ao comércio e ao estilo de vida dos amapaenses.

Onde ficar no Macapá

Apesar da riqueza cultural e ambiental, Macapá não tem muita variedade e opções de hotelaria. Uma boa recomendação é o Hotel do Forte, com boa infraestrutura e ótima localização, na orla do rio.

Nossa recomendação: Hotel do Forte

O Hotel do Forte é perfeito para quem quer apreciar a vista do Rio Amazonas, enquanto desfruta de uma hospedagem completa. Equipados com banheiro privativo, ar-condicionado e TV, os quartos são bem iluminados e espaçosos.

O restaurante tem vista panorâmica do rio e o buffet de café da manhã é servido diariamente com produtos típicos da região.

Onde comer e se divertir no Macapá

A culinária do Macapá cheia de sabores amazônicos: sucos variados com frutas da região, como de cupuaçu, muito ‘chopp’, que no sudeste é conhecido como ‘geladinho’ e açaí, uma das bases da economia do Amapá.

Entre as iguarias, vale a pena experimentar o famoso camarão no bafo, que só é servido em Macapá. A dica é acompanhar com o drink característico da região, a gengibirra. Feito à base de gengibre, açúcar, aguardente e cachaça artesanal.

Abaixo, os meus restaurantes prediletos em Macapá:

Flora Bistrô (para almoçar)

Próximo ao Porto de Santana, de onde saem os barcos para Ilha de Santana, o Flora Bistrô é comandado por uma chef local conceituada e premiada. Além do cenário cênico, os pratos são simplesmente deliciosos. Vale muito a pena conhecer.

Amazonas Peixaria (para jantar)

Um dos meus restaurantes prediletos em Macapá, com uma decoração surpreendente totalmente inspirada na Amazônia. Localizado na orla de Macapá, a comida é deliciosa – e vale provar a gengibirra.

Bar do Vila (para curtir o Happy Hour)

Bar todo descolado cheio de alto astral para curtir o fim de tarde. Além disso, tem vários drinks temáticos e porções muito gostosas, como pasteizinhos de palmito. 

Para almoçar: opções mais econômicas

  • Restaurante Di Maria – churrascaria que fica na orla, 86 reais para comer à vontade, mas também tem pratos. Restaurante bem gostosinho! 
  • Macapaba – ótimo restaurante, comida excelente, preço bom e rapidez.

O que levar na mala para o Macapá

Viagens de natureza sempre pedem um preparo maior. Por isso, não se esqueça dessa listinha de o que levar na mala para a capital do Amapá:

Itens para levar na viagem

Separamos aqui alguns itens que não dispensamos na viagem ao Macapá. Já prepara a listinha 😉

  • Roupas leves para caminhada e roupas de banho;
  • Tênis e meias de algodão;
  • Mochila pequena para caminhadas;
  • Protetor solar e repelente;
  • Garrafa pequena para armazenar água;
  • Toalha (mesmo que tenhamos no hotel);
  • Sacola/Bolsa Impermeável para proteção de equipamentos eletrônicos;
  • Medicamentos tomados regularmente + receita para aquisição local em caso de emergência

Esta viagem foi realizada à convite da Sindetur-AP, Azul Linhas Aéreas, Amapá Ecocamping e Redescobrindo Destinos.

Perguntas frequentes sobre o Macapá

Como chegar ao Macapá?

O Estado do Amapá é o único estado brasileiro que não tem acesso à nenhuma rodovia. Para chegar ao estado, os visitantes têm duas opções: barco ou avião. Confira mais informações no nosso post.

Quais os melhores passeios para fazer no Macapá?

Existem diversos passeios super legais em Macapá, como o Passeio até a Ilha de Santana, Monumento Marco Zero do Equador, a Fortaleza São José de Macapá, o Museu Sacaca, entre outros. Continue lendo para saber mais.

Onde ficar no Macapá?

São poucas as boas opções de hospedagem na capital amapaense. Porém, nós recomendamos o Hotel do Forte, na orla do Rio Amazonas. Confira mais no nosso post.

Virginia Falanghe

Jornalista de viagens e especialista em marketing digital de turismo, Virginia transformou sua paixão por viagens e aventuras em profissão. Já conheceu os cinco continentes com algumas paradas longas na Austrália, EUA, Portugal, Canadá, além de três meses a bordo de um catamarã pelas ilhas do Caribe. Além de escrever sobre destinos de natureza aqui no Viva o Mundo, é colunista de viagens na JovemPan, editora-chefe do site Dicas de Viagem e head da agência digital Pura. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.