Tudo sobre mergulho em Los Roques

Mergulhar em Los Roques é uma experiência espetacular. Nós mergulhamos com a operadora Arrecife Divers (www.divevenezuela.com), que possui ótimo atendimento e boa infra. Foram 5 dias de mergulho com eles e em média 3 imersões por dia.

A equipe do centro de mergulho capitaneada pelo instrutor de mergulho Juan Carlos é ótima e muito prestativa. Seu cachorro Pluto é uma atração a parte – quase um divemaster e sempre acompanha o dono nas saídas de mergulho.

Pluto, nosso dive-master canino.
Cilindros na operadora de mergulho Arrecife Divers, em Los Roques

Gran Roque

Os nossos primeiros mergulhos foram ao redor de Gran Roque. Ali são feitos os primeiros mergulhos e os batismos, mas os pontos mais interessantes estão do lado norte da ilha, onde o mar é mais agitado, mas a vida marinha é mais intensa. Tubarões, tartarugas, raias-chita são comuns. O fundo é composto por grandes rochedos que formam túneis e passagens estreitas. Há algumas fendas e cavernas na costeira, onde é possível entrar em salões iluminados pelo forte azul do mar.

Dica aos mergulhadores avançados: Nesta região o melhor mergulho é em La Guaza, um parcel cujo o cume está a 7 metros de profundidade e desce na vertical até a areia aos 35 metros. O mergulho é feito em espiral de baixo para cima, ao redor do rochedo há muitos cardumes e uma grande quantidade de peixes tropicais.

La Guaza
La Guaza

 

Barreira de Corais

As outras três áreas de mergulho estão na barreira de corais ao sul do arquipélago, que é bem extensa. Para chegar lá são pelo menos 40 minutos de navegação em lancha rápida por dentro do atol. O tempo voa, já que a paisagem é espetacular, pontilhada por pequenas ilhas e bancos de areia. As cores do mar são estonteantes, tão fortes que chegam a refletir nas nuvens. É a polinésia em pleno Caribe.

DSC_5554

Durante a navegação com destino a barreira de corais, ao sul de Los Roques
Praias e bancos de areia durante a navegação até a barreira de corais

Os pontos de mergulho mais frequentados são próximos ao canal entre Cayo Sal e a ilha de Nube Verde, que forma uma passagem entre o ator e o mar aberto. Uma plataforma de areia branca desce até os 12 metros, onde encontra-se o topo de abismo que chega a 1.500 metros de profundidade. A formação coralínea é muito rica e é uma das mais bem preservadas do Caribe, apesar dos peixes-leões que já dominaram o pedaço.  Os pontos de mergulho mais visitados por lá são: A Maceta de Cote, a Maceta de Nube Verde e a Cabeza de Cayo Sal. 

É um fundo bem caribenho, mas sem o trânsito de mergulhadores que há nas outras ilhas. Os intervalos de superfície são feitos em ilhotas paradisíacas. No extremo leste desta barreira coralínea há outra passagem denominada Boca Sebastopol. Para mergulhar nesta região é preciso esperar um dia com ventos fracos de leste ou nordeste, porque ali o mar costuma ser bem agitado. A navegação até lá é por um extenso canal protegido pelos corais de um lado e um belíssimo manguezal que serve de ninhal para inúmeras espécies de aves marinhas. Os mergulhos são feitos na correnteza e são frequentes as avistagens de grandes pelágicos como raias-chita, atuns e eventualmente tubarões e até mesmo gigantescas tartarugas-de-couro.

Outro ponto de mergulho ótimo na barreira de coral é Uespen de Cayo Sal, no extremo oeste da barreira coralínea do sul do arquipélago. Neste ponto há uma sequência de grutas submersas que se formam ao longo do paredão, decoradas por esponjas e árvores de corais. O mergulho também é feito na correnteza sobre um imenso jardim de corais, que se debruça sobre o abismo submerso. No azul, as raias-chita e grandes cardumes de xáreus estão sempre presentes.

 

DSC_0024
DSC_0174
DSC_0148
DSC_0103

E aí, quem já mergulhou em Los Roques e tem dicas? Comente!!

 

Virginia Falanghe

Jornalista de viagens e especialista em marketing digital de turismo, Virginia transformou sua paixão por viagens e aventuras em profissão. Já conheceu os cinco continentes com algumas paradas longas na Austrália, EUA, Portugal, Canadá, além de três meses a bordo de um catamarã pelas ilhas do Caribe. Além de escrever sobre destinos de natureza aqui no Viva o Mundo, é colunista de viagens na JovemPan, editora-chefe do site Dicas de Viagem e head da agência digital Pura. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.